Crónicas de Tatooine

 

Quantas vezes já ouvi esta questão e quantas vezes já respondi – ou ouvi responder – que é para todas as idades. Mas será que isso é verdade para todas as diferentes ramificações da saga? A questão assombrou-me novamente com a estreia da nova temporada da série animada “Rebels”, por cá já em exibição no Disney Channel na televisão por cabo e que acompanho religiosamente desde o início.

 

Na Star Wars Celebration não consegui assistir aos dois primeiros episódios (uma oportunidade exclusiva apenas para os cerca de 4000 presentes naquela conferência), mas pude assistir à entrevista prévia com Dave Filoni, produtor executivo da série e responsável também por grande parte dos episódios de “Clone Wars”. Dave é um personagem por si só. Carismático entre os fãs que o seguem no Twitter, raramente é visto em público sem o seu clássico chapéu à cowboy. Em palco, Dave Filoni aparece com dois dos atores da série, Tiya Sircar e Sam Witwer, que dão voz a Sabine e Darth Maul, respetivamente. Depois vemos o trailer da nova temporada, a tal que acabou de estrear. E é precisamente aqui que a audiência começa a perceber que “Rebels” cresceu. Ezra já não é uma criança. Pode ainda não ser adulto, mas, para além de um visual diferente, as responsabilidades que tem e tudo o que vivenciou, tornaram-no mais adulto do que os anos que tem.

 

 

Mas não é só Ezra que está mais adulto. A própria série “Rebels” está, de facto, mais adulta. A história está a ser contada de forma mais mais dura e menos floreada, algo que já pudemos ir assistindo ao longo dos últimos episódios da segunda temporada. Segundo palavras do produtor executivo, o objetivo é “fundir os visuais de Rebels e Rogue One e aproximar todo o colorido existente no mundo de Rebels ao de Rogue”, o que faz todo o sentido ou não estivessem ambas as histórias separadas por escassos anos de diferença. Afinal de contas, a Galáxia está em guerra e não há como dar a volta a isso. Assim, a morte de pilotos rebeldes ou de soldados é “normal”. E sim, a morte faz parte da vida, e tudo isso, mas é importante perceber que existe violência e máquinas de tortura. Ainda não se tornou no que era a série animada “Clone Wars” mas caminha para isso. Na nova temporada, existe uma latência realista incutida.

Desde 1977 que Star Wars tem fãs de todas as idades. Quando “A New Hope” saiu, nem os críticos conseguiam catalogar tão estranho filme. E depois tivemos os Ewoks. E surgiu também a era do merchandising. Carradas e carradas de bonecos – os mesmos que Mark Hamill diz ter dado às dezenas ao filho, Nathan, ao ponto de alegadamente a sua primeira palavra ter sido “Kenner” (a marca que fabricava os ditos brinquedos). A compra da Lucasfilm pela Disney exacerbou esse fenómeno vezes 100.

Tudo é válido no que toca a fazer dinheiro e eu cá não me queixo. Star Wars tenta agradar às crianças há anos e as empresas continuam e irão continuar a tentar fazer dinheiro com isso. A questão é que, se analisarmos todas as vertentes da saga, observamos que não é algo que se mantenha linear ao longo de toda a história. Se no Episódio I (sim, estou a evocar as prequelas), tínhamos crianças e um alienígena tão infantil quanto irritante (Jar Jar), no Episódio III víamos o melhor amigo do herói cortar-lhe as pernas e os braços e deixá-lo a morrer junto a um rio de lava. Pensar que “Rebels”, por ser um desenho animado, se dirige a crianças, é redutor. Embora esta série tenha começado por apelar a uma audiência mais abrangente, tem sabido evoluir e dar um forte contributo para a construção do novo cânone e são os adultos quem consegue retirar deste universo toda a sua complexidade helénica.

O Episódio VII está recomendado para maiores de 12. Nos Estados Unidos recebeu a classificação de PG-13, contrariamente à habitual classificação PG, interrompida apenas com “Revenge of the Sith”. Contudo, ao mesmo tempo que a Força desperta um pouco por todo o mundo, vemos surgir brinquedos, peluches do Darth Vader (o boneco perfeito para embalar qualquer sono), coleções de cromos, revistas infantis, cereais, roupa dos 0 aos 12 (já perdi mais tempo do que desejo admitir na secção de criança…). Se isto não é um contrasenso, não sei o que é.

Star Wars será sempre a eterna luta do bem contra o mal. Esse é o alicerce. Não obstante, em “The Force Awakens”, os maus não praticam o mal apenas porque querem vingança ou porque querem unicamente a liderança suprema. Existe um novo layer: os maus acreditam que estão certos e que, na verdade, são os bons e que tudo o que estão a fazer é, em última análise, para criar uma Galáxia mais justa. Sobre este tema aconselho-vos a lerem o livro “Bloodline” e a trilogia “Aftermath”. Spoilers à parte, porque a esta altura já todos tiveram mais do que tempo para ver o último filme, Kylo Ren mata o próprio pai… Quem quer um peluche fofinho do Kylo Ren?

É preciso analisar as diferentes realidades. A realidade de há 40 anos é muito diferente da de hoje. A quantidade de violência existente nas televisões de hoje em dia é outra. Pensemos na saga como algo sem idade, capaz de cativar pais ou filhos.

Dito isto, sim, os filhos que ainda não tive irão ver Star Wars. Não há como negar. No meu tempo (sinto que já cheguei a uma altura da minha vida em que já existe legitimidade para usar esta expressão), também existia violência nos desenhos animados – ela sempre lá esteve. A própria Disney matou a mãe do Bambi e quantas vezes assistimos ao Jerry a torturar o Tom? Cada criança é diferente. Não creio que exista uma idade exata em que possamos dizer que uma criança já tem idade para ver Star Wars. Devemos falar isso sim em maturidade e na existência de bom senso.

 

 

5 momentos grotescos

 

Anakin e a lava

Revenge of the Sith

anakin_revengeofthesith

 

 

 

 

 

FS_top20-02A morte de um herói

The Force Awakens

hansolo_forceawakens

 

 

 

 

 

FS_top20-03Tia Beru e Tio Owen

A New Hope

beru_owen_newhope

 

 

 

 

 

FS_top20-04O beijo da morte (Ventress mata um clone)

Clone Wars

 

 

 

 

 

Cenas de tortura

The Force Awakens

 

 

 

 

 

5 momentos fofinhos

Os ursinhos carinhosos, aka Ewoks

Return of the Jedi

 

 

 

 

 

FS_top20-02BB-8, ou o desenho de JJ que se tornou numa máquina de fazer dinheiro

The Force Awakens

 

 

 

 

 

FS_top20-03Gatinhos fofos

Rebels

 

 

 

 

 

FS_top20-04A banda do elefante azul

Return of the Jedi

 

 

 

 

 

Jar-Jar (simultaneamente um dos momentos mais odiados)

The Phantom Menace

Facebook Comments

Leave a comment