Lições de vida de fontes invulgares.

 

The Lobster

Título Português: A Lagosta (GRE, IRE, HOL, UK, FRA – 2015)
Realizador: Yorgos Lanthimos
Argumento: Yorgos Lanthimos, Efthymis Filippou
Protagonistas: Colin Farrell, Rachel Weisz, Jessica Barden

Nomeações: 1 (Melhor Argumento Original)

Yorgos Lanthimos é um autor que gosta de pegar em grandes e bizarros conceitos e depois despi-los de qualquer filtro. Para o grego, não faz sentido reprimir as emoções e tentar fazer com que desapareçam magicamente. Em “The Lobster”, apesar de ser o seu filme mais “normal” até à data, Lanthimos apresenta-nos uma história particularmente invulgar: num futuro próximo (de data incerta) ser solteiro é proibido. Os solteiros e solteiras têm 45 dias para encontrar o amor da sua vida ou serão transformados num animal à sua escolha. Se a premissa parece ter o tipo de absurdismo próprio de uma comédia, é porque é exatamente isto que o filme é. Mas não apenas. Por entre os momentos de (muito negro) humor, o filme deixa-nos também a pensar sobre o momento como nós mesmos tendemos tantas vezes a colocar as nossas vidas em rotas predeterminadas. Ao longo da sua duração, “The Lobster” apresenta-nos duas visões distintas de como podemos viver as nossas vidas amorosas. Mas porque haveremos ter apenas duas? Ao longo da progressão da personagem de Colin Farrell (excelente na contenção com que se entrega a um papel que tinha tudo para cair no exagero ridículo), os autores convidam-nos a refletir, no meio de toda a loucura, sobre o que nós próprios achamos sobre o sentido da vida e para onde estamos a caminhar. O que é isso senão a principal missão da boa ficção científica? Por trás dos visuais distópicos e complexidade temática, acabamos por procurar todos o mesmo: amor.

 

Classificação: ⭐️⭐️⭐️⭐️ (4 Estrelas)

 

 

 

20th Century Women

Título Português: Mulheres do Século XX (EUA – 2016)
Realizador: Mike Mills
Argumento: Mike Mills
Protagonistas: Annette Bening, Elle Fanning, Greta Gerwig

Nomeações: 1 (Melhor Argumento Original)

O que é ser feminista? O que é ser um homem feminista? Será preciso uma imersão total em literatura feminista? Ou apenas o (bizarramente raro) ato de considerar que uma mulher tem exatamente os mesmo direitos que um homem e merece ser tratada com uma simples dose de respeito? Estas são questões que assolam a mente confusa do adolescente Jamie Fields (Lucas Jade Zumann), que vai absorvendo as revoluções culturais dos finais dos anos 70 à medida que é educado pelas mulheres na sua família. O filme de Mike Mills é fortemente inspirado no crescimento real do realizador e argumentista, que já no seu anterior “Beginners” tinha retirado inspiração da sua vida. O argumento, nomeado ao Óscar, é, de facto, um dos pontos fortes do filme, com várias tiradas memoráveis e, acima de tudo, algumas sequências em que a comédia se funde de forma perfeita com o drama e nos deixa um pouco sem saber como reagir – como, lá está, acontece na vida real. Apesar do filme ser sobre a educação “sui generis” de Jamie, as grandes estrelas são mesmo as mulheres. Temos Elle Fanning num excelente e complexo papel como a melhor amiga/paixão (pouco) secreta de Jamie, Greta Gerwig como uma espécie de irmã mais velha “adoptiva” que o educa na arte de bem tratar uma mulher e, claro, Annette Bening – gigante como sempre no seu peculiar mas sempre humano retrato de uma mãe moderna a aprender a viver num mundo em constante mutação. Muito simplesmente, o que temos aqui é uma quase perfeita carta de amor às mulheres nas nossas vidas.

 

Classificação: ⭐️⭐️⭐️⭐️ (4 Estrelas)

 

Facebook Comments

Leave a comment