Uma viagem intensa e visceral, ainda que um pouco fria.

 

Título original: First Man (EUA – 2018)
Realizador: Damien Chazelle
Argumento: Josh Singer
Protagonistas: Ryan Gosling, Claire Foy, Jason Clarke

“O Primeiro Homem na Lua” é o tipo de filme que já não se faz. Numa era em que a indústria de Hollywood só parece ter espaço para fazer enormes blockbusters ou pequenas obras de cinema indie com um orçamento de uma ida à mercearia, Damien Chazelle usou a celebridade que conquistou com o seu Óscar de Melhor Realizador (por “La La Land”) para dar vida a este filme de orçamento robusto (mas não titânico) com uma história clássica para contar.

Para esse efeito rodeou-se de um grupo de atores talentosos, com destaque para o sempre sólido Jason Clarke, a impossivelmente cativante Claire Foy e, acima de tudo, Ryan Gosling, que despe toda a sua performance de qualquer espécie de artifício e encarna esse homem invulgar que foi Neil Armstrong: um cientista profissional e muito reservado – incapaz, por vezes, de lidar com a fama inescapável da mediática missão de chegar primeiro à Lua.

A decisão de concentrar tanto do filme na desconstrução interna de uma personagem conhecida por (quase) nunca revelar os seus sentimentos é bastante curiosa. Poucos teriam criticado Chazelle se ele tivesse amplificado os momentos dramáticos para dar mais “força” às cenas entre Neil e os que os rodeiam, mas a contenção que o jovem realizador mostrou em não cair nessa tentação prova a confiança suprema com que atacou este projeto.

Dito isso, é curioso que uma das melhores decisões criativas deste filme é também a que criou um “limite” ao seu potencial. Ou seja, admirável que é a escolha de mostrar Neil Armstrong como ele era – contido, estóico, sem paciência para opiniões sem fundamentação científica –, é inegável também que isso torna “O Primeiro Homem na Lua” um filme moldado à imagem do seu protagonista: interessante – importante até – mas, em última instância, um pouco frio.

Mas, se é legítimo dizer que este não é um filme genial, é importante apontar que não deixa de ser muito, muito bom. E uma das grandes razões para isso está na sua execução técnica. O design de produção, principalmente nas cenas dentro dos foguetões, é brilhante. A isso, junta-se uma técnica de filmagem muito “realista”, com a câmara dentro das cápsulas exíguas em que os astronautas eram enfiados, criando uma sensação palpável de claustrofobia. A cada chocalhar de um parafuso, a cada ensurdecedor ribombar das finas placas de metal que os protegiam do letal e gelado vazio do espaço, percebemos o quão improvável o sucesso desta missão foi.

Gostaria de terminar uma nota sobre o contexto histórico deste filme. Apesar de ser, em parte, uma celebração do feito inacreditável da NASA, Damien Chazelle nunca torna o seu filme um mero ato de auto-elogio patriótico – chegou até a ser criticado por isso mesmo antes do filme ser lançado. “O Primeiro Homem na Lua” guarda espaço para mostrar as críticas de ativistas sociais ao dinheiro gasto pelo programa espacial, as hesitações dos organismos políticos que o financiavam e até o quanto este feito foi motivado por pura mesquinhez geopolítica.

O que o filme nunca faz é dar voz ao contigente de “peritos” da Internet que tentam argumentar que nunca fomos à Lua e que isto foi tudo um embuste filmado pelo Stanley Kubrick. Para os cinéfilos que partilhem dessas ideias, recomendo a obra de Mike Judge inspirada nas suas vidas: “Terra de Idiotas”.

 

separador_trailer

Facebook Comments